Ir para conteúdo



Foto
- - - - -

Pai rejeita filha


  • Por favor, faça o login para responder
3 respostas neste tópico

#1 Cristhiane

Cristhiane
  • Membro
  • 2 posts

  • Estado:RS

Escrito em 25 maio 2008 - 14:00

Prezados!
A questão é a seuinte: tenho uma filha de 6 meses, com uma pessoa que tive um breve relacionamento. Seu pai negou a paternidade e nunca quis conhecê-la. Abri um processo de investigação de paternidade a fim de provar a paternidade atravéz do exame de DNA. Se ele nunca quis vê-la, e conhecendo um pouco ele, penso que depois que se prove a paternidade (e se ajuste os alimentos, é claro!)ele continuará se mostrando indiferente. Por mim, gostaria que minha filha nunca o visse mesmo, pois ele nunca a quis, mas sei o quanto é importante a ela a convivência com o pai, ter uma família, mesmo que separada. Penso também que as responsabilidades paternas vão além do pagamento da pensão alimentícia, pois os pais tem iguais deveres em relação à criação, educação e afeto dos filhos. Gostaria de saber se há alguma forma de obrigá-lo a conviver com ela, caso ele não faça isso de espontânea vontade. Penso em envocar a constituição ou os direitos humanos ou até mesmos os prejuizos psicológicos que ela poderá ter.
Agradeço quem colaborar com a questão.

#2 Dani Oliver

Dani Oliver
  • Membro
  • 19 posts

  • Estado:SP

Escrito em 26 maio 2008 - 18:33

Não dou resposta técnica pq não tenho base para isso. Apenas tenho uma pergunta a te fazer. Já viu alguém morrer por não conviver com seu pai, ou até mesmo sua mãe???

Isso não acontece, e esses traumas que vc sugere, vem geralmente quando a criança não tem base nenhuma de familia, o que me parece não ser o seu caso.

Por isso não obrigue ninguém a ama-la como vc ama, isso é impossível, deixe o curso da vida, ele saberá onde fazer os dois se encontrarem e de que maneira isso será feito.

Dê o seu amor a sua filha, obringar o outro é colocar em risco a felicidade da pequena.

Espero que vc entenda o que eu estou dizendo e não me leve a mal.

Tenho uma frase que sempre relembro quando vejo casos assim: "Só se dá, aquilo que se tem"

#3 Cristhiane

Cristhiane
  • Membro
  • 2 posts

  • Estado:RS

Escrito em 01 junho 2008 - 23:15

Dani Oliver, entendi sim o que disseste.
E tens razão.
Muito obrigada!

#4 Dr. Arleu

Dr. Arleu
  • Membro Pleno
  • 147 posts

  • Estado:RS

Escrito em 02 junho 2008 - 11:28

Pois é minha amiga Cristhiane, por óbvio, com a anuência da nossa amiga Dani me filio ao posicionamento dela, acrescendo o seguite, que é justamente na nossa carta maior(Constituição Federal de 1988) que você não podera se apoiar, uma vez que ela é clara em seu inciso X do art. 5º, que disciplina que são invioláveis a intimidade das pessoas, sujeitando seus violadores indenizar pelos danos morais causados.
Assim, como poderia o judiciário acatar um pedido seu no sentido de obrigar o pai de seu filho a dar amor, carinho e atenção a a ele, sendo que estas manifestações, são sentimento subjetivos ligados a intimidade da pessoa humana. De outra banda, você ficaria tranquila ao entregar seu filho ao pai, que não gosta dele?
A lei protege contra o abandono material, art. 244 do Código Penal e art.21 da lei 5478/68, mas não contra o abandono intelectual e psicológico(intimidade).

Um abraço

Arleu




0 usuário(s) está(ão) lendo este tópico

0 membro(s), 0 visitante(s) e 0 membros anônimo(s)