Ir para conteúdo



Foto
- - - - -

Pensão Por Morte - União Estável


  • Por favor, faça o login para responder
5 respostas neste tópico

#1 Marcia MOrena Js

Marcia MOrena Js
  • Membro
  • 14 posts
  • Sexo:Feminino

  • Estado:SP

Escrito em 30 junho 2010 - 16:40

Prezados Colegas, gostaria de tirar uma dúvida sobre pensão por morte.

O segurado faleceu há 05 anos e ele vivia em união estável com sua companheira. Contudo , a companheira até o momento não ingressou com o pedido de pensão por morte perante o INSS, pois, não possui nenhum dos documentos exigidos pelo INSS para a comprovação da união estável, possuindo somente as testemunhas. Mas ao que me parece o INSS não aceita depoimentos de testemunhas, estou certa?

Neste caso, como a companheira deve agir? Deve ingressar 1º com ação judicial requerendo o reconhecimento da união estável e posteriormente , de posse da senteça , ingressar com o pedido de pensão por morte perante o INSS ? ou existe alguma outra medida adminstrativa que a companheira possa se utilizar?

Aguardo retorno !!

Att.

Marcia

#2 Amicus Curiae

Amicus Curiae
  • Membro
  • 1 posts
  • Sexo:Masculino
  • Interesses:Aprimoramento do conhecimento dos institutos jurídicos, visando aplica-los de forma real e mais justa!!!

  • Estado:RJ

Escrito em 01 julho 2010 - 00:56

Prezados Colegas, gostaria de tirar uma dúvida sobre pensão por morte.

O segurado faleceu há 05 anos e ele vivia em união estável com sua companheira. Contudo , a companheira até o momento não ingressou com o pedido de pensão por morte perante o INSS, pois, não possui nenhum dos documentos exigidos pelo INSS para a comprovação da união estável, possuindo somente as testemunhas. Mas ao que me parece o INSS não aceita depoimentos de testemunhas, estou certa?

Neste caso, como a companheira deve agir? Deve ingressar 1º com ação judicial requerendo o reconhecimento da união estável e posteriormente , de posse da senteça , ingressar com o pedido de pensão por morte perante o INSS ? ou existe alguma outra medida adminstrativa que a companheira possa se utilizar?

Aguardo retorno !!

Att.

Marcia



Bom, primeiramente, a companheira não possui nenhum documento do de cujus, ou somente não possui os documentos que comprovam a União Estavel?

Sendo a primeira hipotese acredito que seja mais viavel primeiro declarar-se a união e após requer a pensão junto ao INSS;

Sendo a segunda hipotese, deverá primeiro requerer junto ao INSS - que até aceita prova testemunhal, mas geralmente só é deferida pela Junta de Recursos e quando esta observa, no processo administrativo, a existência de outras provas que indicam vestigios na união estavel- contudo caso o INSS indefira o pedido sob a alegação de não comprovação da qualidade de dependente (companheira), aí sim poderá propor ação para concessão de benefício previdenciário de pensaõ por morte, na Justiça Federal. Neste processo o proprio juiz federal declara a existência da união estavel (incidente processual) e defere o benefício.

Só por oportuno destaco que o segurado deve estar com qualidade na data do óbito, para que seus dependentes tenham direito a pensão.

Espero ter ajudado

Att.

Carlos

#3 Godoy

Godoy
  • Membro Pleno
  • 132 posts
  • Sexo:Feminino

  • Estado:SP

Escrito em 01 julho 2010 - 08:16

O INSS não pode se recusar a dar entrada no requerimento administrativo por falta de documentos, o que ele pode fazer é indeferir se achar que não foi comprovada a existência de União Estável.

O primeiro passo é dar entrada no requerimento administrativo e de posse da comunicação de indeferimento, ingressar com uma Ação Judicial para a concessão da Pensão por morte (nesta Ação que se provará a existência de União Estável).

É preciso que você tenha, pelo menos, início de prova material: comprovantes de conta conjunta, comprovantes de mesmo endereço, algum convite de casamento no qual consta o nome dos dois como se fossem marido e mulher, são exemplos de início de prova material, mas qualquer documento que sinalize a existência de União Estável pode ser utilizado (certidão de nascimento, para aqueles que tiveram filhos, também é considerado início de prova material).

Em síntese: Não é necessário que você tenha um Contrato de União Estável celebrado entre as partes, mas é necessário que tenha algum documento - qualquer documento - que demonstre que as pessoas conviviam como se marido e mulher fossem.

#4 Marcia MOrena Js

Marcia MOrena Js
  • Membro
  • 14 posts
  • Sexo:Feminino

  • Estado:SP

Escrito em 01 julho 2010 - 14:30


Prezados Colegas, gostaria de tirar uma dúvida sobre pensão por morte.

O segurado faleceu há 05 anos e ele vivia em união estável com sua companheira. Contudo , a companheira até o momento não ingressou com o pedido de pensão por morte perante o INSS, pois, não possui nenhum dos documentos exigidos pelo INSS para a comprovação da união estável, possuindo somente as testemunhas. Mas ao que me parece o INSS não aceita depoimentos de testemunhas, estou certa?

Neste caso, como a companheira deve agir? Deve ingressar 1º com ação judicial requerendo o reconhecimento da união estável e posteriormente , de posse da senteça , ingressar com o pedido de pensão por morte perante o INSS ? ou existe alguma outra medida adminstrativa que a companheira possa se utilizar?

Aguardo retorno !!

Att.

Marcia



Bom, primeiramente, a companheira não possui nenhum documento do de cujus, ou somente não possui os documentos que comprovam a União Estavel?

Sendo a primeira hipotese acredito que seja mais viavel primeiro declarar-se a união e após requer a pensão junto ao INSS;

Sendo a segunda hipotese, deverá primeiro requerer junto ao INSS - que até aceita prova testemunhal, mas geralmente só é deferida pela Junta de Recursos e quando esta observa, no processo administrativo, a existência de outras provas que indicam vestigios na união estavel- contudo caso o INSS indefira o pedido sob a alegação de não comprovação da qualidade de dependente (companheira), aí sim poderá propor ação para concessão de benefício previdenciário de pensaõ por morte, na Justiça Federal. Neste processo o proprio juiz federal declara a existência da união estavel (incidente processual) e defere o benefício.

Só por oportuno destaco que o segurado deve estar com qualidade na data do óbito, para que seus dependentes tenham direito a pensão.

Espero ter ajudado

Att.

Carlos



#5 Marcia MOrena Js

Marcia MOrena Js
  • Membro
  • 14 posts
  • Sexo:Feminino

  • Estado:SP

Escrito em 01 julho 2010 - 14:32

Muito obrigada Dr. Carlos pelos esclarecimentos!

No caso em tela a companheira não tem nenhum documento que comprove a união estável.




Prezados Colegas, gostaria de tirar uma dúvida sobre pensão por morte.

O segurado faleceu há 05 anos e ele vivia em união estável com sua companheira. Contudo , a companheira até o momento não ingressou com o pedido de pensão por morte perante o INSS, pois, não possui nenhum dos documentos exigidos pelo INSS para a comprovação da união estável, possuindo somente as testemunhas. Mas ao que me parece o INSS não aceita depoimentos de testemunhas, estou certa?

Neste caso, como a companheira deve agir? Deve ingressar 1º com ação judicial requerendo o reconhecimento da união estável e posteriormente , de posse da senteça , ingressar com o pedido de pensão por morte perante o INSS ? ou existe alguma outra medida adminstrativa que a companheira possa se utilizar?

Aguardo retorno !!

Att.

Marcia



Bom, primeiramente, a companheira não possui nenhum documento do de cujus, ou somente não possui os documentos que comprovam a União Estavel?

Sendo a primeira hipotese acredito que seja mais viavel primeiro declarar-se a união e após requer a pensão junto ao INSS;

Sendo a segunda hipotese, deverá primeiro requerer junto ao INSS - que até aceita prova testemunhal, mas geralmente só é deferida pela Junta de Recursos e quando esta observa, no processo administrativo, a existência de outras provas que indicam vestigios na união estavel- contudo caso o INSS indefira o pedido sob a alegação de não comprovação da qualidade de dependente (companheira), aí sim poderá propor ação para concessão de benefício previdenciário de pensaõ por morte, na Justiça Federal. Neste processo o proprio juiz federal declara a existência da união estavel (incidente processual) e defere o benefício.

Só por oportuno destaco que o segurado deve estar com qualidade na data do óbito, para que seus dependentes tenham direito a pensão.

Espero ter ajudado

Att.

Carlos



#6 Marcia MOrena Js

Marcia MOrena Js
  • Membro
  • 14 posts
  • Sexo:Feminino

  • Estado:SP

Escrito em 01 julho 2010 - 14:35

Dra. Fabiana muito obrigada pelos esclarecimentos.


O INSS não pode se recusar a dar entrada no requerimento administrativo por falta de documentos, o que ele pode fazer é indeferir se achar que não foi comprovada a existência de União Estável.

O primeiro passo é dar entrada no requerimento administrativo e de posse da comunicação de indeferimento, ingressar com uma Ação Judicial para a concessão da Pensão por morte (nesta Ação que se provará a existência de União Estável).

É preciso que você tenha, pelo menos, início de prova material: comprovantes de conta conjunta, comprovantes de mesmo endereço, algum convite de casamento no qual consta o nome dos dois como se fossem marido e mulher, são exemplos de início de prova material, mas qualquer documento que sinalize a existência de União Estável pode ser utilizado (certidão de nascimento, para aqueles que tiveram filhos, também é considerado início de prova material).

Em síntese: Não é necessário que você tenha um Contrato de União Estável celebrado entre as partes, mas é necessário que tenha algum documento - qualquer documento - que demonstre que as pessoas conviviam como se marido e mulher fossem.






0 usuário(s) está(ão) lendo este tópico

0 membro(s), 0 visitante(s) e 0 membros anônimo(s)