Qual a finalidade da Doutrina? Porque e quando realmente usá-la?

Discussão em 'Fórum dos Neófitos' iniciado por Justiniano, 04 de Dezembro de 2015.

  1. Justiniano

    Justiniano Membro Pleno

    Mensagens:
    1
    Sexo:
    Masculino
    Estado:
    Rio de Janeiro
    Por mais absurda que possa parecer a pergunta, escuto muitas pessoas falando que as Doutrinas Jurídicas atrasam o estudo, que a verdadeira forma de estudar é lendo os códigos, fazendo exercicios.

    Professores na faculdade não me recomendam ler doutrinas, mas apenas sinopses (no máximo);
    Vários Concurseiros experientes também dizem que Doutrina é perda de tempo;

    Pergunto então aos colegas do Fórum:
    Onde "se usa" Doutrina?
    Seria apenas para o meio acadêmico, nos Mestrados e Doutorados?
  2. skuzam

    skuzam Membro Pleno

    Mensagens:
    55
    Sexo:
    Masculino
    Estado:
    Santa Catarina
    Eu sou um grande crítico de toda essa supervalorização que alguns dão para a Doutrina, e eu já começo pela nomenclatura, Doutrina para mim lembra muito o ato de Doutrinar, o que eu considero algo terrivelmente ruim e retrógrado.

    Para mim o Direito é a ciência que tem por objeto de estudo a aplicação do arcabouço normativo, portanto a consequência disso é que o objeto de análise do Direito é a Lei, é no próprio texto legal que está o limite interpretativo do Magistrado. E nada melhor para se estudar o Direito (as Leis) do que ver qual a sua redação, o que ela regula e quais seus efeitos, e, por último, como os Tribunais aplicam aquela determinada legislação na analise dos casos concretos.

    Na minha opinião o estudo do Direito deveria se dar da seguinte maneira:

    1º) Analisar as disposições legais que regulam a matéria a ser estudada;

    2º) A partir do estudo do texto legal, analisar quais são as suas implicações práticas;

    3º) Após ter feito um senso crítico sobre o texto legal, estudar como tal texto vem sendo interpretado pelos Tribunais.

    Nesse contexto a Doutrina passa a ser apenas a opinião de determinados juristas a como a Lei deve ser aplicada, ou qual seria a forma mais correta de determinada norma ser interpretada pelos aplicadores do Direito.

    Eu só consigo ver a Doutrina como algo importante para aqueles que não possuem a capacidade de, por si só, analisarem e conseguirem compreender os textos legais e a sua aplicabilidade prática.
  3. drmoraes

    drmoraes Advogado

    Mensagens:
    297
    Sexo:
    Masculino
    Estado:
    Rio de Janeiro
    Pra mim, depende do seu objetivo.

    Se é passar em concurso, de fato, o melhor método é estudar questões, pelo menos é o que vejo ser mais recomendado, e o que funcionou pra mim na OAB por exemplo. Só estudei questões de provas passadas no Jurisway e passei.

    Agora se quer saber mesmo, de verdade, é a doutrina que ensina.

    O Lenio Streck (um jurista famoso, tem uma coluna no site Conjur se quiser conhecer um pouco mais dele) critica muito a forma como o direito funciona no Brasil. Pra ele pelo que entendi a doutrina deveria ser a maior fonte do direito, enquanto que no Brasil é sem dúvida a jurisprudência, que as vezes dispõe de forma totalmente oposta ao que está na Lei.

    Ou seja, pra ele, o Judiciário brasileiro se alimenta dele mesmo, e o Juiz é meio déspota, no sentido de que "A lei diz o que eu digo que ela diz", e tals. Seria algo muito perigoso, pois não poderia o próprio **aplicador** da Lei ter o poder de dizer o que ela diz. Dessa forma, ele pode simplesmente ignorar a intenção do legislador e decidir de forma totalmente contrária - como de fato acontece no cotidiano forense.

    Eu tenho que essa abordagem dele de fato é a melhor, pois o doutrinador é alguém geralmente capacitado, com experiência, estudo e imparcialidade suficiente para fazer a ligação entre as demais fontes do direito (lei, jurisprudência etc) e concluir melhor o que deve ser feito em cada caso.

    Mas na prática, no Brasil, a jurisprudência é o que vale. Ou ainda, o senso comum. O senso comum é a maior fonte do direito no Brasil, e todas as leis se dobram a ele.

    Na coluna dele no conjur tem vários exemplos disso, então não vou repetir aqui. Mas o que quero dizer com o senso comum ser a maior fonte do direito é: se o Juiz não achar que deve condenar, ele vai torcer e retorcer a lei, até ela ficar do jeito que ele quer, da forma como ele acha que o senso comum interpreta o caso. É isso.

    Nós advogados estamos cansados de ver isso no dia a dia. As vezes o Juiz pega um instituto jurídico que ia te ajudar, e interpreta ao contrário, e te condena. É fantástico.

    Outro problema no Brasil é encontrar um bom doutrinador rs as vezes o que chamam de doutrina é apenas uma coletânea de "como os juízes estão resolvendo casos parecidos com esse". Isso não é doutrina. Doutrina é filosofar, é fazer a ligação entre as fontes do direito, e falar como deve ser aplicada a lei.
    Última edição: 28 de Dezembro de 2015
    skuzam e Fernando Zimmermann curtiram isso.
  4. hiltonccfilho

    hiltonccfilho Membro Pleno

    Mensagens:
    1
    Sexo:
    Masculino
    Estado:
    Amazonas
    A doutrina explica a razão da lei e sua aplicação. Se parar para observar as deliberações dos STF e STJ ou outros colegiados superiores vamos observar poucas discussões baseadas estritamente na lei ou em outros julgados (jurisprudência) as discussões são basicamente doutrinárias.

    Mas, o direito no Brasil passa por uma fase evolutiva voltada para um tecnicismo absurdo. Daí que se pode observar a aplicação do dura lex sed lex, e um radicalismo que assusta. Para avançar, em um ambiente globalizado, acabamos retroagindo como uma resposta defensiva ao medo de ver a abertura para a qual estamos passando; em virtude de se poder discutir abertamente as razões de algumas decisões.

    Então, quem tem medo de discutir as bases de suas decisões, ou talvez até mudá-las, não vê razão da existência da doutrina, mas aqueles que se aprofundam em seus estudos acabam evoluindo mais.
  5. Luis F.N.

    Luis F.N. Membro Pleno

    Mensagens:
    11
    Sexo:
    Masculino
    Estado:
    Paraná
    A função da doutrina é ensinar, é com base nela, entre outros, que os operadores fundamentam suas peças, pareceres. É fonte boa para o aprendizado (seja quem for, estudante, advogado, juiz).

    Penso que o que fará valer a pena, dependerá do tempo que você dispõe. Geralmente, pessoas trabalham e estudam, o que as impede de ler as grandes doutrinas.

    Uma coisa é certa, a graduação é um período de se obter conhecimentos generalizados (sem se aprofundar), vejo que não há necessidade (admito que é realmente bom) de se assim agir, a sinopse é suficiente.

    Após a graduação, é o momento de se especializar, ai sim, em minha opinião, você deve conhecer os grandes nomes da sua área de escolha.

    Eu estou no 10° semestre. Consegui ler algumas doutrinas por completo, outras li as sinopses mesmo e outras fiquei só no que o professor ensinou.

    É mais benéfico você estudar com qualidade do que ler muitas folhas por dia. Tem a coleção saberes do direito, é muito resumido. Entretanto, ela é recomendada para quem já conhece a matéria (só para relembrar), sob risco de não entender direito alguns assuntos.
Tópicos Similares: Qual finalidade
Forum Título Dia
Direito Civil, Empresarial e do Consumidor Adjudicação Compulsória X Usucapião: Qual propor neste caso? 05 de Maio de 2018
Direito Constitucional Qual é a forma de citação de órgãos da administração pública pelo pje 06 de Fevereiro de 2018
Direito Previdenciário Qualidade de segurado 01 de Novembro de 2017
Direito Tributário QUAL RECURSO CABÍVEL EM DECISÃO DE EMBARGOS A EXECUÇÃO FISCAL PROMOVIDA PELA UNIÃO 19 de Outubro de 2017
Direito Civil, Empresarial e do Consumidor Execução Fiscal - Fazenda recusou o bem - Qual o próximo passo? 09 de Agosto de 2017

Compartilhe esta Página