Juiz arquiva inquérito da morte de odontóloga por falta de identificação de autoria

Discussão em 'Notícias e Jurisprudências' iniciado por Thales de Menezes, 30 de Agosto de 2016.

  1. Thales de Menezes

    Thales de Menezes Membro Pleno

    Mensagens:
    74
    Estado:
    Goiás
    Por falta de identificação de autoria por parte da Polícia Civil, o juiz Jesseir Coelho de Alcântara, da 1ª Vara Criminal de Goiânia, determinou o arquivamento do inquérito instaurado por portaria para apurar o homicídio da odontóloga Maria Marta Guimarães de Souza. O crime ocorreu no dia 14 de abril de 2002, na garagem do Condomínio Carmelita, na Rua 5, número 725, Setor Central.

    A Polícia Civil apurou que a vítima tinha saído de casa acompanhada do filho para ir até a Feira da Lua e, em seguida, foram até a casa da mãe dela, e permaneceram no local até por volta das 23 horas. O filho da odontóloga resolveu pernoitar na casa da avó. Maria Marta retornou para a sua residência, mas foi encontrada no chão da garagem do prédio barbaramente espancada. Ela foi socorrida e levada para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), onde morreu de traumatismo crânio-encefálico.

    A investigação policial chegou a apontar indícios de autoria ao marido da vítima. O relatório final da Polícia Civil detalhou todo o andamento investigativo e requereu a imputação de omissão de socorro – artigo 135, parágrafo único, do Código Penal Brasileiro – sob o argumento de que o marido de Maria Marta incorreu em dolo ao negar-lhe socorro.

    O representante do Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) deu parecer favorável ao arquivamento do inquérito policial por ausência de provas de autoria e às dificuldades de realização de novas diligências devido ao tempo transcorrido. Com relação ao indiciamento do marido da vítima, entendeu que, embora a 1ª Vara Criminal seja incompetente para processar e julgar casos que não tratem de crimes dolosos contra a vida, deve ser reconhecido o instituto da prescrição.

    Ao decidir pelo arquivamento, Jesseir de Alcântara afirmou que não há como prosseguir com o feito devido à falta de indícios suficientes de autoria. Quanto à prescrição, afirmou que o prazo é calculado em função do máximo da pena privativa de liberdade cominada ao crime praticado. “No caso, a autoridade policial requereu a imputação do crime de omissão de socorro, cuja pena é de detenção e um a seis meses. Com base no artigo 109, inciso VI do CPB, a perda da pretensão punitiva do Estado ocorre em três anos, se o máximo da pena é inferior a um ano”, explicou. (Texto: João Carlos de Faria – Centro de Comunicação Social)

    Fonte: TJGO

    http://advocaciaimobiliariagoias.blogspot.com.br/
    http://www.advocaciaimobiliariagoias.com/
    http://www.escritoriomensur.com/
    http://escritoriomensur.blogspot.com.br/
Tópicos Similares: Juiz arquiva
Forum Título Dia
Direito Civil, Empresarial e do Consumidor Execução provisória de sentença de juizado especial civel 07 de Novembro de 2017
Artigos Jurídicos Não basta ao juiz ser imparcial, tem que parecer imparcial 16 de Outubro de 2017
Direito Civil, Empresarial e do Consumidor Em Juízo indevidamente 15 de Outubro de 2017
Direito do Trabalho RECUSA DO JUIZ EM REGISTRAR PROTESTOS 06 de Outubro de 2017
Direito Civil, Empresarial e do Consumidor Juizado Especial do Torcedor 13 de Setembro de 2017

Compartilhe esta Página